A Liderança a partir do último lugar

A Liderança a partir do último lugar setembro 15, 2020Leave a comment
Liderança a partir do último lugar

Esta semana, participantes de um curso de gestão de grupos em ambientes virtuais, fomos convidados a elaborar um feedback à coordenação sobre nossos sentimentos e emoções no decorrer do processo de aprendizado.

Me dei conta ao longo deste processo que havia passado muitas vezes por minha cabeça a frase dirigida à Coordenação: “Se fosse eu, teria feito de outro jeito”.

Você já deve ter passado por isso em algum momento no trabalho. Dizê-lo ou não em voz alta é apenas um detalhe. Importante é reconhecer que esta atitude carregada de arrogância ou carente de humildade para com quem conduz o trabalho e os colegas é uma questão sistêmica relacionada às suas leis de pertencimento, ordem e equilíbrio.

Aprendemos a lidar com as relações de poder em nossa relação com nossos pais. Se esta relação não está “em ordem”, acabamos por transferir as dores e expectativas não atendidas que temos em relação a nossos pais aos nossos líderes e liderados.

É importante manter bons relacionamentos na empresa, mas muitas vezes agimos tentando provocar ou reproduzir as mesmas expectativas desta relação original. Se não estamos “em ordem”, brigamos com a realidade como ela é, nos sentimos maiores do que realmente somos.

Ainda nesta linha, não raro vemos pessoas que foram recém contratadas, se tornaram sócias ou há pouco assumiram cargos de liderança em novos departamentos ou filiais, mas que se colocam fora a “ordem” na estrutura organizacional, confundindo o conteúdo do cargo com a cronologia.

Acabam por desrespeitar funcionários em funções “menores”, mas que chegaram antes e trouxeram a empresa até aquele momento. As pessoas não olhadas geram uma espécie de insegurança no clima da empresa que se expande aos clientes é muitas vezes se pode ver quebras inclusive no faturamento. Daí a importância de se liderar a partir do último lugar.

Voltando ao feedback elaborado esta semana, entendo que se aplica o mesmo. Estar fora de ordem, me sentindo maior que os facilitadores pode não causar problemas financeiros à instituição responsável pelo workshop, mas participar a partir deste lugar pode bloquear o proveito e assimilação da experiência, contribuir negativamente para o clima entre os colegas e impactar o proveito deles também.

E você, como tem sentido as questões de ordem em seu dia a dia corporativo?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Compartilhe

O que você quer transformar?