Além da Diversidade étnica e de gênero

Além da Diversidade étnica e de gênero setembro 4, 2020Leave a comment

Em Maio de 2020, durante a pandemia, a McKinsey publicou o terceiro de uma série de estudos sobre o impacto da diversidade na performance financeiros corporativos, utilizando uma amostra de 1.000 empresas distribuídas em 15 países. 

O relatório publicado este ano (A Diversidade Vence) além de analisar a evolução dos resultados em relação aos dois estudos anteriores (Porque a Diversidade Importa – 2015 e Entregando através da Diversidade – 2018) centrando a análise na diversidade de gênero e diversidade étnica, adiciona uma análise dos sentimentos dos empregados das empresas desta amostra em relação a inclusão (composta por igualdade, abertura e pertencimento) feita via “social listening” de comentários realizados online por estes colaboradores.

O estudo indica uma evolução de 15% (2015) para 25% (2020) na probabilidade de performance financeira superior para empresas no último quartil quanto a diversidade de gênero e uma estabilidade em torno de 35% na probabilidade de performance financeira superior para empresas no último quartil quanto a diversidade étnica. Entretanto, quando analisados os sentimentos dos empregados, mesmo nas empresas mais diversas, menções negativas quanto a igualdade e justiça de oportunidades variaram entre 63% e 80% entre as indústrias analisadas. Da mesma forma, menções negativas quanto a “abertura” variaram entre 38% e 56%. Sentimentos revelados mostram que ainda há um longo caminho pela frente.

Diversidade étnica e de gênero são fatores de suma importância. Todo e qualquer avanço nestas duas áreas devem ser comemorados, não apenas porque trazem performance superior, mas porque passo a passo ajudam a corrigir uma série de vieses e injustiças. 

Diversidade não trata apenas destes dois fatores e provavelmente está mais enraizada em nossos preconceitos. A diversidade está também na reunião de habilidades diversas entre os membros de uma equipe, em sua mescla de idades, quando se compõe um time de pessoas com diferentes origens, experiências dentro e fora de empresas ou diferentes setores e backgrounds acadêmicos. A lista é infinita…

A pandemia pode se tornar uma boa oportunidade para que se deixe de selecionar candidatos pelo CEP ou por falácias do tipo “ele passa apenas 2 anos em cada empresa, também não vai ficar aqui”. Já experimentou selecionar candidatos às cegas sem que os nomes de suas universidades sejam revelados? Até que ponto o trabalho remoto será uma oportunidade para a real inclusão de trabalhadores com deficiência? 

A diversidade trata na verdade de como as pessoas impactam o mundo corporativo e como este impacto leva equipes e empresas ao próximo nível na colaboração e performance.

A pesquisa mostra que sim houve avanços na composição mais diversa dos quadros de funcionários e composição do board das empresas analisadas. É uma eterna dança com avanços e retrocessos. Além de diretrizes corporativas é necessária a coragem da gestão para perguntar às pessoas o que é diversidade para elas e quais seriam as menores ações a seu alcance para tornar as empresas mais coloridas, eficientes e inclusivas.

Conte aqui nos comentários que pequenas ações você e sua empresa tem tomado na construção da diversidade e que resultados vocês já obtiveram!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Compartilhe

O que você quer transformar?