3 passos para descongelar o perfeccionismo!

3 passos para descongelar o perfeccionismo! junho 13, 2015Leave a comment
perfeccionismo

O perfeccionismo está ajudando sua carreira?

Perfeccionismo. Hit número um dos “defeitos toleráveis” … aquele que adoramos admitir em uma entrevista de emprego ou utilizamos para nos descrever e ainda parecer “bonito na foto”. Admiti-lo soa como dizer “Tenho um lado negro, mas vou mostrá-lo….afinal de contas, no fundo ser perfeccionista é algo bom e vai fazê-lo gostar ainda mais de mim!”. É a cortina de fumaça utilizada para encobrir algo de que não gostamos e angariar simpatia dos outros. “Ainda não empreendi porque não tenho todas as certificações necessárias”, “Sou perfeccionista e exijo perfeccionismo…só assim estou confortável em colocar meu nome neste projeto”, “Falo inglês, francês, alemão, tenho boas universidades e experiências profissionais em meu curriculum. Ninguém pode falar nada sobre minha competência como administrador”. O perfeccionismo CONGELA porque nos conduz a uma cruzada insana pela aprovação dos outros e a única maneira de consegui-la é com mais perfeccionismo. Curiosamente, o perfeccionismo é a única coisa que nos impede de sermos perfeitos. Assim como o narcisista mirando o espelho da sociedade, o perfeccionista “vê” o que não está lá. Se uma pessoa é perfeccionista e tudo a seu redor é perfeito, então, e apenas então ela ficará satisfeita com a imagem irretocável devolvida pela sociedade e se sentirá bem consigo mesma, do contrário será extremamente intolerante, se voltará para si mesma e assim, nenhuma conexão com o mundo exterior acontece…qualquer semelhança com Dr. Gregory House NÃO é mera coincidência…O perfeccionismo se torna assim o escudo que nos separa da realidade. Observo em minha prática, que a sensação de congelamento originada do perfeccionismo traz embarcada muito medo, inclusive o medo de que os outros descubram que não há nada de tão especial por detrás desta fachada. De acordo com Brené Brown, o perfeccionismo está a serviço de minimizarmos nossos sentimentos de culpa, julgamento, inutilidade ou vergonha. Para começar a operação “descongelamento” é necessário contato com este medo, uma boa dose de uma atitude questionadora e a vontade de fazer contato com os próprios sentimentos.

Veja a seguir 3 passos que irão ajudá-lo colocar um fim na paralisia do perfeccionismo:

1.       Separe o EMPENHO do PERFECCIONISMO.

A busca saudável pela excelência impulsiona nossas carreiras e nos torna seres humanos melhores. Quem por sua vez age guiado pelo perfeccionismo, o faz evitando todos os riscos de expor suas imperfeições, tentando na melhor das hipóteses agradar aos demais, comportando-se de forma apenas a colher os aplausos. A melhor forma de desmontar este mecanismo é colocá-lo em cheque: O que ganho ou perco postergando uma decisão porque não tenho dados suficientes, não me sinto preparado ou não me sinto tão bom quanto os outros? Que oportunidades estou deixando passar? Pelo que estou me culpando? Do que tenho vergonha?

2.      Construa alternativas.

Nem sempre as coisas acontecem exatamente como se quer, assim….com perfeição irretocável. Um plano B divide os ovos em diferentes cestas e tira a pressão para uma única solução possível. A existência de alternativas reduz o grau de auto exigência e faz que nos tornemos “apenas” humanos, com toda a beleza de nossas imperfeições.

3.      Dispense a si mesmo o mesmo tratamento que você dispensa aos outros.

Perfeccionistas tendem a pegar mais leve com o resto do mundo e reservam o “chicote” para si mesmos. O perfeccionismo prospera com a sensação de superioridade. Acostumados a se gabar com seu “conhecimento das regras”, os perfeccionistas, de forma pontual e meticulosa, avaliam seus próprios feitos ou o dos outros de forma binária: bom ou ruim, feito ou não feito, valido ou inválido. Há inúmeros tons entre o preto e o branco. Se todos somos iguais, porque não dirigir a nós mesmos uma atitude mais humana e compreensiva? Pare de tentar agradar a todos ou querer se comparar. A comparação é a medida exata da frustração. Cada ser humano é único! Mudar algo tão intenso leva tempo, mas paga recompensas! Vale abrir um diálogo interno como se estivesse falando com uma criança de 5 anos, com amor, paciência e gentileza para incentivar qualquer avanço, afinal de contas, você está aprendendo a ser IMPERFEITO…ou seria MAIS QUE PERFEITO?!

Como diria um grande amigo meu: “banda que ensaia demais, não toca!”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Compartilhe

O que você quer transformar?